Daniel Vilela diz que MDB fechou com Caiado ‘para somar’

Anúncio público de Daniel Vilela (MDB) como pré-candidato a vice-governador é sucedido por trabalho duplo de diálogos com aliados, enaltecendo a importância do grupo político. Com a aliança consolidada, as duas frentes atuam também para apaziguar o clima entre os insatisfeitos.

 

Ronaldo Caiado (dir.) e Daniel Vilela (esq.): união para disputa do Governo de Goiás em 2022 – Fotos: Divulgação

 

Mais de 90% dos Diretórios foram a favor da aliança com o Democratas

 

Segundo Caiado, a parceria firmada um ano antes das eleições tem o propósito de construir uma campanha pautada no “diálogo, no trabalho e no respeito ao povo goiano”

 

Após consultar em Goiás os Diretórios Municipais emedebistas sobre constituir aliança política com o Democratas, o resultado para o sim alcançou quase 100%. Em seguida, o posicionamento foi apresentado para a Executiva estadual do partido.

Essa decisão – que envolveu filiados convencionais e também prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, secretários municipais e personalidades –, leva o MDB para a base governista estadual, comandada pelo governador Ronaldo Caiado, que garantiu a vaga de vice-governador na chapa majoritária em 2022 para Daniel Vilela, presidente estadual.

Durante ato político realizado pelo Movimento Democrático Brasileiro dia 24 de setembro, em Goiânia, se tornou pública a aliança entre os dois políticos, quando Caiado discursou que Maguito Vilela, eleito prefeito de Goiânia em novembro e falecido em janeiro, “continuará na política do Estado de Goiás com a dignidade que merece, com esse jovem que será vice-governador na eleição de 2022”. Partiu de Caiado a proposta de aliança e reunido com Daniel, na data 20 de agosto, ele formulou convite ao MDB para participar da chapa. Para o chefe de Estado, o pacto entre os dois partidos mudará os rumos da história política em Goiás.

Ao discursar, o filho de Maguito assinalou que “o MDB chega para somar” e que está “do lado certo da história política do Estado”.

O evento, com o ditado Goiás vai avançar ainda mais, atraiu participação de centenas de militantes políticos de todas as regiões goianas, com deputados federais e estaduais, prefeitos e dirigentes partidários se posicionando no palanque.

Em dados das duas alas, a parceria foi oficializada com apoio de 27 dos 28 prefeitos do MDB goiano, contando também com o respaldo de 146 dos 160 Diretórios e das Comissões Provisórias emedebistas. “É uma decisão com o apoio da maioria robusta, algo bastante sólido dentro do partido. Uma aliança que soma esforços junto ao governador Ronaldo Caiado para que possamos superar todos os desafios”, expressou Daniel Vilela, que cravou: “Os homens de bem têm que estar juntos”. Sobre a sua pré-candidatura a vice, especificou se sentir “muito à vontade”.

A um ano da campanha eleitoral, as atividades das duas frentes focam agora diálogos diversos com aliados dos 246 Municípios de Goiás, pontuando a importância do novo grupo político, ao mesmo tempo em que também atuam para apaziguamento de cada clima entre os ditos insatisfeitos das duas partes. Série de Encontros está por vir, com o MDB já tendo agendado um para Porangatu, dia 2 de outubro. “Nos enfrentamos em 2018, mas o adversário comum do povo goiano, naquela época, era a corrupção, os escândalos, o desvio do dinheiro público e uma gestão que ficou no poder por 20 anos”, cutucou Caiado gestões do PSDB, emendando: “Agora, estamos juntos pelo bem de Goiás”. E, “nós estamos fazendo uma aliança baseada em princípios, conceitos e numa maneira de governar com responsabilidade e respeito aos 7,2 milhões de goianos”.

Impossível realçar o MDB goiano sem mencionar Iris Rezende Machado, vítima de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e internado desde 6 de agosto, em Goiânia e, transferido dia 31 daquele mesmo mês para São Paulo. Ana Paula de Araújo Rezende Machado Craveiro, que está com o pai, participou do evento através de vídeo, dizendo: “Quero deixar aqui o meu apoio e dizer que o senhor, governador, é um homem que tem honrado nosso Estado, honrado o nosso povo, por isso eu tenho certeza que o MDB fez a melhor escolha em caminhar ao seu lado”.

O MDB nacional, cujo presidente é o deputado federal Baleia Rossi (SP), atua com a ideia de que o Diretório Estadual possui aval para definir localmente os rumos da sigla.

 

Tejota

Sobre Lincoln Tejota (Cidadania), atual vice de Caiado, ele tem observado e avaliado interiormente toda essa conjectura da chapa à reeleição de maneira serena, sem precipitação, refletindo sobre diferentes possibilidades para o próximo ano – disputa do cargo de deputado federal ou estadual; o pai, Sebastião Tejota, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e que brevemente se aposentará, analisa candidatura também, para um desses dois cargos.

Suplente de senador (em um dos cenários, o primeiro suplente de Henrique Meirelles, caso esse se eleja, teria oportunidade maiúscula de assumir no Senado, se Lula [PT] vencer a disputa para presidente da República… Meirelles poderia ser convidado para assumir o Ministério da Economia ou o Banco Central, após ser empossado senador e pedir licença, na primeira semana de fevereiro de 2023).

Em outra alternativa (tida nos bastidores como a mais provável), Lincoln deixaria a política e teria como destino profissional o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

 

Democratas-PSL

Democratas, que está em processo de fusão com o PSL, resultando no partido União Brasil, de número 44, que em Goiás será presidido pelo governador Caiado; em Uruaçu, pelo atual comandante democrata, Ozires Ribeiro Silva; e, em Goiânia, por Lívio Luciano, hoje dirigente máximo do Democratas.

Enquanto alguns filiados com cargos eletivos permanecerão no União Brasil, outros sairão dos hoje denominados Democratas e PSL.

 

(Jota Marcelo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!