CULTURA & EDUCAÇÃO

DIVERSOS

‘Poema vertical’ – José Décio Filho

Dei um mergulho em mim mesmo,

num pulo de cabeça a baixo.

Tudo lá no fundo está quieto

como os caminhos abandonados;

a paisagem esfumou-se e confundiu-se

num apaziguamento de cansaço.

 

Perdi-me nos atalhos sedutores,

gastei linhas retas e curvas,

inquietações e deslumbramentos.

De místicas visões e amargos projetos

fiz um montão de cadáveres.

 

Quanto trabalho perdido,

quanto tempo dissipado!

Mas de tudo que ajuntei

na mais lírica desordem,

alguma coisa houve de ficar,

alguma coisa que às vezes

se resolve em minha poesia ou em silêncio.

 

José Décio Filho (1918-1976), natural de Posse-GO, fez o primário em sua cidade natal e em Formosa-GO, e, o secundário, no Lyceu de Goiás. Na década de 1940, atuou em veículos de comunicação. Em 1960, intelectuais indicaram seu nome para o Departamento de Cultura, atuando nesse órgão por muitos anos junto à Secretaria de Educação e Cultura de Goiás. Obra do livro Poemas e elegias, de 1953, Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!