Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 22 de maio 2019

OPINIÃO

DIVERSOS

‘Nova era da democracia’

Thiago Albernaz

 

Estas eleições gerais de 2018 revelaram uma nova face democrática no país. Depois da crise política com gigantescas mobilizações nas ruas e tendo enfrentado um impeachment, mudanças de paradigma da informação e, por acréscimo, da formação de opinião do eleitor, surgiu um resultado completamente novo nas urnas.

Diversas pesquisas especializadas apontavam que a renovação legislativa neste pleito eleitoral ficaria na casa dos 30%. O cenário seria trágico, já que em um momento em que o povo clama por mudanças políticas teríamos um índice de renovação inferior às eleições anteriores. Felizmente, não foi o que se viu no último dia 07 de outubro.

O eleitor surpreendeu todas as previsões e depositou nas urnas uma histórica renovação política, que transformará nosso País nos próximos anos. Na Câmara Federal, cerca de 50% das cadeiras serão ocupadas por novos deputados, o maior índice de renovação em 20 anos.

No Senado, a mudança foi ainda mais surpreendente, apenas 8 das 54 vagas disputadas serão ocupadas por senadores reeleitos, as demais cadeiras serão ocupadas por novas caras no cenário político. O Legislativo federal será outro a partir de 2019.

Na Assembleia Legislativa de Goiás a tendência de renovação seguiu o mesmo curso do cenário nacional: 20 dos 41 deputados estaduais se sentarão no plenário do legislativo estadual pela primeira vez. Uma renovação de quase 50%. E não poderia ser diferente.

O paradigma da informação e das mídias mudou completamente. Com o surgimento e expansão das redes sociais o cidadão e eleitor criou autonomia informativa e passou a formular individualmente as próprias convicções, quebrando o monopólio dos antigos formadores de opinião. A nova era da informação formatou uma nova consciência política dos eleitores.

Ao se demonstrarem cansados com a velha política, tendo ocupado as ruas, tendo derrubado uma presidente da república, o eleitor agora derrubou, nas urnas, os antigos currais eleitorais, o voto de cabresto e as velhas lideranças políticas. O nicho eleitoral que usava a máquina pública para eleger os de sempre caiu por terra e foi enterrado nas eleições de 2018.

O voto se pulverizou, não acompanha mais o partido A ou B. O eleitor votou agora criando convicção daquele que será seu representante, depositando seu voto como voto de confiança na figura que acredita que trará, de fato, a renovação esperada.

 

Thiago Albernaz é deputado estadual eleito por Goiás, pelo Solidariedade. Transcrito, sem adaptações, do jornal O Popular (Goiânia-GO), edição de 08/11/2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!