Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 18 de janeiro 2019

OPINIÃO

DIVERSOS

‘Goiás desperta para a nova mineração que será realidade no Governo Caiado’

João José

 

“O nió­bio é pa­ra o bem do Bra­sil”. O Bra­sil es­tá per­den­do cen­te­nas de bi­lhões de dó­la­res por ano atra­vés do des­ca­mi­nho na ex­por­ta­ção dos mi­né­rios es­tra­té­gi­cos, ven­di­dos de qual­quer jei­to e re­ce­ben­do em mo­e­da po­dre. Uma trai­ção ao pa­ís e ao po­vo bra­si­lei­ro. Mar­cos Va­lé­rio dis­se na CPI dos Cor­rei­os: “O di­nhei­ro do men­sa­lão e pe­tro­lão não é na­da; o gros­so do di­nhei­ro vem do con­tra­ban­do do nióbio”.

O for­ta­le­ci­men­to do se­tor mi­ne­ral go­i­a­no vem a ser pri­o­ri­da­de fun­da­men­tal da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Estado de Go­i­ás (Fieg), pas­san­do so­bre­tu­do pe­lo en­ga­ja­men­to to­tal do Es­ta­do a fim de ofe­re­cer to­das as con­di­ções bá­si­cas e pre­pon­de­ran­tes pa­ra que as em­pre­sas pri­va­das, in­te­res­sa­das a in­ves­tir em Go­i­ás, dis­po­nham da mais com­ple­ta se­gu­ran­ça e li­ber­da­de a fim de pro­ver os tão es­pe­ra­dos in­ves­ti­men­tos vi­tais e ne­ces­sá­rios, vi­san­do prin­ci­pal­men­te  in­cre­men­tar o de­sen­vol­vi­men­to de uma ati­vi­da­de eco­nô­mi­ca pri­mor­di­al e fun­da­men­tal no sen­ti­do de ala­van­car so­bre­ma­nei­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co do nos­so Es­ta­do, ali­cer­ça­do fun­da­men­tal­men­te na ge­ra­ção de mi­lha­res e mi­lha­res de em­pre­gos di­re­tos e in­di­re­tos.

Sa­be­do­res des­sa pre­cí­pua prer­ro­ga­ti­va es­tra­té­gi­ca pro­pug­na­da pe­la Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as, o go­ver­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do e o se­na­dor Wil­der Mo­ra­is ao se an­te­ci­pa­rem com mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e ve­e­mên­cia às ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais vi­su­a­li­za­das, que no pas­sa­do fo­ram pre­pon­de­ran­tes no sen­ti­do de ali­cer­çar o de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co de Go­i­ás, de­mons­tram so­bre­tu­do res­pon­sá­veis e cris­ta­li­nas in­ten­ções pre­cí­pu­as afim de  pro­por­ci­o­nar ao nos­so ri­co po­ten­ci­al mi­ne­ral (ter­cei­ro do Bra­sil) to­das as con­di­ções es­tru­tu­ra­is, téc­ni­cas e le­gais, so­bre­tu­do al­me­jan­do – se a ma­te­ri­a­li­za­ção res­pon­sá­vel e con­scien­cio­sa da im­pres­cin­dí­vel Agên­cia de Ge­o­lo­gia e Mi­ne­ra­ção do Es­ta­do de Go­i­ás (Agmego­), pro­vi­da es­ta, de to­dos os atri­bu­tos ali­cer­ça­is afim de não só fo­men­tar e as­sis­tir tec­ni­ca­men­te a to­das ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais no cam­po da mi­ne­ra­ção, co­mo tam­bém pro­mo­ver in­jun­ções es­tra­té­gi­cas vi­san­do tor­nar nos­so Es­ta­do no ba­lu­ar­te da pro­du­ção mi­ne­rá­ria do Pa­ís, co­mo acon­te­ceu no pas­sa­do até 1999, atra­vés da so­be­ra­na ini­ci­a­ti­va do sa­u­do­so go­ver­na­dor Mau­ro Bor­ges.

Há 20 anos, des­de 1999, nos­sa mi­ne­ra­ção vem hi­ber­nan­do e pra­ti­ca­men­te se en­con­tra na UTI. Atra­vés do Go­ver­no Cai­a­do e a fun­da­men­tal ini­ci­a­ti­va da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as, nos­so mi­né­rio in natura de­ve­rá a par­tir de ago­ra agre­gar faus­to­sos va­lo­res, pro­mo­ven­do as­sim o en­ri­que­ci­men­to des­te que é um im­pres­cin­dí­vel e es­tra­té­gi­co pro­du­to na­ti­vo, fun­da­men­tal­men­te ne­ces­sá­rio ao nos­so vi­tal de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co, pro­ces­so es­te que pro­mo­ve­rá atra­vés da ge­ra­ção de mi­lha­res de mi­lha­res de em­pre­gos a “fi­xa­ção do ho­mem in­te­rio­ra­no em seu lo­cal de ori­gem” for­ne­cen­do as­sim a es­te e sua fa­mí­lia, a ci­vi­li­da­de, con­for­to e dig­ni­da­de ne­ces­sá­rias, o que tem nos fal­ta­do nos úl­ti­mos 20 anos.

Foi nes­te di­a­pa­são que equi­vo­ca­da­men­te os atu­ais ad­mi­nis­tra­do­res es­ta­du­ais edi­ta­ram a pro­pa­la­da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va im­plan­ta­da atra­vés da lei número 13.550, de 11 de no­vem­bro de 1999, fa­zen­do com que a Su­pe­rin­ten­dên­cia de Ge­o­lo­gia e Mi­ne­ra­ção da Se­cre­tá­ria de In­dús­tria e Co­mér­cio pas­sas­se com mui­tas di­fi­cul­da­des téc­ni­cas e ad­mi­nis­tra­ti­vas a aga­sa­lhar o pou­co que res­tou de mi­ne­ra­ção es­ta­du­al, re­sul­tan­te de tão ca­bu­lo­sa li­qui­da­ção da fun­da­men­tal Me­tais de Go­i­ás S/A; jo­gan­do por ter­ra to­do um fa­bu­lo­so e épi­co es­for­ço vol­ta­do so­bre­ma­nei­ra ao pro­vi­men­to de uma pu­jan­te, prag­má­ti­ca e re­co­nhe­ci­da pro­du­ção mi­ne­ral, a ní­vel na­ci­o­nal e mun­di­al quan­do as re­ais fun­ções de fo­men­to, as­sis­tên­cia téc­ni­ca e de­sen­vol­vi­men­to da mi­ne­ra­ção em nos­so Es­ta­do fo­ram im­pi­a­men­te re­le­ga­das a segundo pla­no, atra­vés de um in­com­pe­ten­te alhe­a­men­to e des­co­nhe­ci­men­to de co­mo se si­tu­a­va nos­so se­tor mi­ne­ral em re­la­ção ao Pa­ís e qui­çá até em ter­mos mun­di­ais, des­cum­prin­do as­sim, a má­gi­ca tô­ni­ca de­sen­vol­vi­men­tis­ta im­pul­si­o­na­da pe­lo nos­so ri­co po­ten­ci­al mi­ne­ral, co­mo so­nha­do por seu ide­a­li­za­dor Mau­ro Bor­ges Tei­xei­ra.

Em as­sim sen­do, se faz ur­gen­te e jus­ti­fi­cá­vel uma fir­me e avas­sa­la­do­ra to­ma­da de po­si­ção da no­va Ad­mi­nis­tra­ção es­ta­du­al que se ini­cia ago­ra no Go­ver­no Cai­a­do, no in­tui­to de res­guar­dar e ins­tru­men­ta­li­zar a ati­vi­da­de mi­ne­rá­ria co­mo um to­do, vi­san­do fa­zer fa­ce à in­ten­sa con­tur­ba­ção que ocor­re ho­je na área da ad­mi­nis­tra­ção a ní­vel fe­de­ral no Go­ver­no Te­mer. Taí um ver­da­dei­ro sam­ba do cri­ou­lo doi­do, nin­guém mais se en­ten­de e as­sim a Uni­da­de da Fe­de­ra­ção me­lhor apa­re­lha­da ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te, o que não é o ca­so de Go­i­ás no mo­men­to, po­de­rá sa­ir na fren­te, res­guar­dan­do seu pa­tri­mô­nio tão di­fi­cil­men­te de­li­ne­a­do e con­quis­tan­do ao lon­go dos tem­pos (“pris­cas eras”), bem co­mo ob­ten­do es­tru­tu­ra­ções tan­to ins­ti­tu­ci­o­nais co­mo ma­te­ri­ais afim de se pro­vi­den­ci­ar am­pli­a­ções tão ne­ces­sá­rias e vi­tais à nos­sa so­bre­vi­vên­cia eco­nô­mi­ca, ga­ran­tin­do um le­que de al­ter­na­ti­vas e pro­vi­den­ci­a­men­tos ir­ma­na­dos com es­ta jus­ta e vi­tal am­pli­a­ção e pro­du­ção, não só bus­can­do o ne­ces­sá­rio au­men­to das nos­sas re­ser­vas mi­ne­ra­is ou­tro­ra pro­je­ta­das, bem co­mo tam­bém mar­char no en­cal­ço das fun­da­men­tais agre­ga­ções de va­lo­res, o que vi­rá pri­mor­di­al­men­te de en­con­tro aos an­sei­os de um fu­tu­ro e pre­pon­de­ran­te Par­que In­dus­tri­al, tão al­me­ja­do pe­la clas­se téc­ni­co ci­en­tí­fi­ca du­ran­te o glo­ri­o­so Go­ver­no Mi­li­tar nos anos 70. A mi­ne­ra­ção no Bra­sil e es­pe­ci­al­men­te em Go­i­ás na­que­la épo­ca foi a mo­la pro­pul­so­ra do fe­no­me­nal mi­la­gre eco­nô­mi­co bra­si­lei­ro.

No en­tan­to, Go­i­ás tam­bém vem atu­al­men­te pas­san­do por gran­des e sé­rias trans­for­ma­ções es­tru­tu­ra­is e eco­nô­mi­cas. São mu­dan­ças que atin­gem to­dos os se­to­res ope­ra­ci­o­nais da Na­ção. Na fi­la de es­pe­ra se en­con­tra nos­so tão pro­pa­la­do e im­ber­be Se­tor de mi­ne­ra­ção, ain­da com­ba­li­do, en­ga­ti­nhan­do e ho­je vi­si­vel­men­te ope­ran­do se­gun­do as tê­nu­es re­gras do an­ti­go Có­di­go de Mi­ne­ra­ção su­jei­to à pou­cas e re­cen­tes trans­for­ma­ções ine­fi­ci­en­tes; um ins­tru­men­to ju­rí­di­co ain­da da­ta­do de 1967. Nes­ses 51 anos, o mun­do mu­dou mui­to e o ce­ná­rio mun­di­al se trans­for­mou so­bre­ma­nei­ra, co­mo tam­bém o Bra­sil; daí, na­da mais jus­to que o se­tor mi­ne­ral pos­sa tam­bém ho­je acom­pa­nhar es­tas ne­ces­sá­rias e trans­for­ma­do­ras evo­lu­ções, pas­san­do so­bre­tu­do por al­vis­sa­rei­ras e es­pe­ra­das mu­dan­ças de re­gras, bus­can­do-se adap­tar prag­ma­ti­ca­men­te à no­va or­dem do co­mér­cio glo­bal. Po­rém, o que cons­ta­ta­mos no en­tan­to aqui em Go­i­ás é um im­ber­be e so­fri­do se­tor ine­fi­ci­en­te frag­men­ta­do atra­vés de um fo­men­to pou­co ar­ro­ja­do e que es­tá ho­je no vá­cuo de no­vas adap­ta­ções, aguar­dan­do por pro­fun­das or­de­na­ções à es­pe­ra das no­vas e tão es­pe­ra­das re­gras e nor­ma­ti­za­ções téc­ni­cas e le­gais vi­san­do for­ne­cer o su­por­te bá­si­co aos in­ves­ti­men­tos já pro­pa­la­dos e tão es­pe­ra­dos e tão an­sio­sa­men­te vis­lum­bra­dos pe­la Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as.

O go­ver­no de uma ma­nei­ra ge­ral dei­xou de emi­tir Li­cen­ças de Pes­qui­sa e Pla­nos de La­vra, além de di­ver­sas ou­tras or­dens de agi­li­za­ções e nor­ma­ti­za­ções de­vi­das e re­gu­la­res, co­pia­do pe­los Es­ta­dos, que tam­bém dei­xa­ram de emi­tir as com­pe­ten­tes Li­cen­ças Am­bien­tais. Ou­tro fa­tor a ser le­va­do em con­ta é que a tra­mi­ta­ção no Con­gres­so Na­ci­o­nal de um de­mo­ra­do pro­je­to de lei com­ple­xo, co­mo se­ria o mar­co re­gu­la­tó­rio da mi­ne­ra­ção, vem a ser um ar­di­lo­so e con­tur­ba­do pro­ces­so ex­tre­ma­men­te di­fi­cul­to­so, pro­je­tan­do em seu bo­jo, im­pli­ca­ções po­lí­ti­cas ful­mi­nan­tes ao Pa­ís, ra­zão pe­la qual vem a ser mui­to dis­cu­tí­vel a pos­tu­ra do go­ver­no fe­de­ral e a clas­se po­lí­ti­ca co­mo um to­do em con­di­cio­nar e adap­tar uma coi­sa à ou­tra.

A mi­ne­ra­ção em Go­i­ás, des­de 1999, co­mo já re­fe­ren­ci­a­do, atra­vés da li­qui­da­ção da an­ti­ga Metago, jaz ador­me­ci­da em “ber­ço es­plên­di­do”, em­bo­ra te­nha­mos um fe­no­me­nal e por­ten­to­so po­ten­ci­al ino­pe­ran­te no mo­men­to, sen­do que o mes­mo em sua gran­de mai­o­ria não tem re­ver­ti­do em be­ne­fí­ci­os sa­lu­ta­res e tam­bém no fun­da­men­tal me­lho­ra­men­to da qua­li­da­de de vi­da pa­ra nos­so so­fri­do po­vo go­i­a­no, des­de a che­ga­da do de­sas­tro­so e te­ne­bro­so Tem­po No­vo, on­de tra­di­cio­nais Mu­ni­cí­pios mi­ne­ra­do­res fo­ram fa­tal­men­te atin­gi­dos em to­da sua es­sên­cia eco­nô­mi­ca, ho­je com ati­vi­da­des eco­nô­mi­cas to­tal­men­te fan­tas­mas, aguar­dan­do an­sio­sa­men­te pe­lo en­xer­ga­men­to da luz no fim do tú­nel que só se­rá pos­sí­vel atra­vés da es­tra­té­gi­ca ma­te­ri­a­li­za­ção da tão aguar­da­da Agmego (Agên­cia de Ge­o­lo­gia e Mi­ne­ra­ção do Es­ta­do de Go­i­ás).

Ca­be­rá as­sim ao pró­xi­mo Go­ver­no de Ro­nal­do Cai­a­do tra­zer no­va luz e cris­ta­li­ni­da­de à es­te ce­ná­rio ador­me­ci­do em ber­ço es­plên­di­do, ino­van­do e pro­vi­den­ci­a­do a mon­ta­gem de no­vas e es­tra­té­gi­cas de­fi­ni­ções de ações téc­ni­cas, ad­mi­nis­tra­ti­vas e ope­ra­ci­o­nais vol­ta­das so­bre­tu­do à re­cu­pe­ra­ção des­te tão im­por­tan­te e vi­tal se­tor eco­nô­mi­co que sem­pre, des­de o Bra­sil Co­lô­nia, foi o in­du­tor e re­den­tor da nos­sa com­ba­li­da eco­no­mia, fa­zen­do com que a an­ti­ga pu­jan­ça da área mi­ne­ral for­ma­tas­se e ge­ras­se Mu­ni­cí­pios mi­ne­ra­do­res, tais co­mo Go­i­a­né­sia, Cri­xás, San­ta Bár­ba­ra, Ce­res, Santa Ri­ta do No­vo Des­ti­no, Are­nó­po­lis, Cai­a­pô­nia, Uru­a­çu, Mi­nei­ros, Fai­na, Ma­ra Ro­sa, Pi­lar de Go­i­ás, Gua­ri­nos, Ca­ta­lão, Al­to Pa­ra­í­so, Ou­vi­dor, Al­to Ho­ri­zon­te, Bom Jar­dim, Ca­val­can­te, Cal­das No­vas, Rio Quen­te, Santa Te­re­zi­nha, Cam­pos Ver­des, Au­ri­lân­dia, No­va Ro­ma, Por­te­lân­dia, Ni­que­lân­dia, Bar­ro Al­to, Lu­zi­â­nia, Pi­re­nó­po­lis, Ara­gar­ças, Co­cal­zi­nho, Fa­zen­da No­va, Is­ra­e­lân­dia, Jau­pa­ci, Go­i­ás Ve­lho (inclusive o Distrito de Cal­ci­lân­dia), Mi­na­çu, Sil­vâ­nia, San­ta Cruz, Cam­pinor­te, Co­rum­bá de Go­i­ás, San­ta Fé, Jus­sa­ra, Ipo­rá, Mon­tes Cla­ros de Go­i­ás, Ba­li­za e mui­tos ou­tros Mu­ni­cí­pios de Nor­te a Sul e de Les­te a Oes­te.

O fu­ror pro­du­ti­vo da Chi­na, que atra­vés do efei­to do­mi­nó in­flu­en­cia o pro­gres­so de to­do o mun­do co­mer­cial e pro­du­ti­vo, prin­ci­pal­men­te os emer­gen­tes, tais co­mo o Mé­xi­co, a Ín­dia, Rús­sia e Áfri­ca do Sul, além das tra­di­cio­nais eco­no­mi­as re­pre­sen­ta­das pe­las po­tên­cias mais ri­cas do pla­ne­ta, fi­ze­ram re­gis­trar nos úl­ti­mos anos gran­des de­man­das por pro­du­tos mi­ne­ra­is em ge­ral, vi­san­do a in­ten­si­fi­ca­ção da bus­ca do de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co sus­ten­tá­vel, fa­zen­do as­sim com que es­to­ques de mi­né­rios pro­ve­ni­en­tes dos prin­ci­pa­is pro­du­to­res de commodities, mes­mo os mais es­tra­té­gi­cos, caís­sem pra­ti­ca­men­te a ze­ro, an­tes da atu­al cri­se eco­nô­mi­ca, sen­do que na eco­no­mia atu­al já vem se vis­lum­bran­do si­nais de es­tar sen­do su­pe­ra­da. Até as pe­que­nas ja­zi­das e de bai­xos te­o­res em Mi­nas Ge­ra­is, co­mo exem­plo, vêm sen­do pau­la­ti­na­men­te ex­plo­ra­das com no­bres en­de­re­ça­men­tos con­su­mi­do­res, prin­ci­pal­men­te e ca­den­ci­a­da­men­te ex­plo­ra­das e ex­plo­ta­das com des­ti­no, prin­ci­pal­men­te ao dra­gão chi­nês.

As pers­pec­ti­vas de ace­le­ra­ção des­te qua­dro atu­al no cur­to pra­zo são mais ain­da re­le­van­tes e al­vis­sa­rei­ras, pa­ra não se di­zer as­som­bro­sas. Va­lo­res agre­ga­dos à pro­du­ção da ma­té­ria-pri­ma mi­ne­ral vi­san­do a ex­por­ta­ção, po­de­ri­am com gran­des chan­ces de su­ces­so em re­gi­ões pro­mis­so­ras, ala­van­car sus­ten­ta­vel­men­te a eco­no­mia go­i­a­na, fa­zen­do com que Go­i­ás re­to­mas­se a di­an­tei­ra dos Es­ta­dos que nos to­ma­ram a fren­te nos úl­ti­mos 20 anos.

 

Jo­ão Jo­sé é ge­ó­lo­go pela Universidade de Brasília (UnB) (Turma 1973) e ar­ti­cu­lis­ta do jornal Diário Manhã (Goiânia-GO); e, ex-di­re­tor de Ope­ra­ções da Metago, ex-di­re­tor téc­ni­co da Femago (Secima), ex-as­ses­sor  téc­ni­co de Go­ver­no de Go­i­ás e da Pre­fei­tu­ra de Go­i­â­nia, ex-pro­fes­sor de Ge­o­lo­gia de Cam­po da UFMG (ESCHWEG) e ge­ó­lo­go da Ama­zô­nia (Radam – Brasil, IB­GE e Icomi Bet­ley Ste­el e Gru­po An­tu­nes); e, detentor do Prê­mio Al­ta­mi­ro Mou­ra Pa­che­co – Co­men­da Ara­gu­aia). Transcrito, sob adaptações, do Diário da Manhã, edição de 29/10/18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!