Vereador Thialu Guiotti: ‘Entra mandato, sai mandato, a pessoa permanece, os benefícios não chegam. Renova!’

Thialu Guiotti é vereador por Goiânia, presidente estadual do Avante em Goiás e pré-candidato a deputado federal para as eleições de outubro próximo. A reportagem apresenta entrevista feita com o mesmo, dividida em duas partes, destacando as atividades parlamentares do legislador, com o mesmo assinalando, sobre o trabalho cotidiano: “Com muita força e vitalidade e, eu vim para a Câmara para fazer a diferença. Acho que a política goianiense e a política goiana passam por um momento de transformação…”. E, a atuação política dele, inclusive declarando apoio oficial do partido ao projeto de reeleição do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB). Caso seja eleito para a Câmara Federal, Thialu objetiva se dedicar com afinco em favor da geração de empregos e renda. Leia abaixo e, mais abaixo (submatéria).

Thialu Guiotti, sobre projetos apresentados por ele: “Eu julgo que um deles vale um mandato, que é o Bolsa Universitária Municipal. Projeto único. Nunca teve no Município de Goiânia. Foi prontamente atendido pelo prefeito Rogério Cruz” – Fotos, inclusive a da página principal: Márcia Cristina/JORNAL CIDADE

 

Defensor da interiorização dos investimentos, com fortalecimento dos Municípios, Thialu comenta, em entrevista a Jota Marcelo (dir.): “Eu costumo dizer que você não deve concentrar riqueza em um local só, a partir do momento que nós temos a diversificação e a valorização das regiões de cada Estado”

 

“Como pode, hoje, uma pessoa com 40, 45, 50 anos de idade não ter oportunidade, por exemplo, para trabalhar em shopping?”, pergunta Thialu (na foto, na tribuna da Câmara Municipal de Goiânia), que apresentou projeto versando sobre o combate ao etarismo – Foto: Rede social

 

Thialu Guiotti (dir.): “Não tem condições um político ficar sentado atrás de mesa aguardando as demandas da sociedade”. Na foto, durante evento externo na capital, com o prefeito Rogério Cruz (2º esq.) – Mais fotos, abaixo (na submatéria)

 

Que balanço pode ser feito de seu trabalho nesse um ano e quatro meses?

Nós temos, na minha concepção, um ganho político muito grande para o Município de Goiânia e para o Estado de Goiás, dentro de tantos projetos de lei apresentados por mim na Câmara Municipal. Eu julgo que um – e ele vale um mandato –, que é o Bolsa Universitária Municipal. É um projeto único, que nunca teve no Município de Goiânia e que foi prontamente atendido pelo prefeito Rogério Cruz [Republicanos]. Automaticamente, quando apresentei esse projeto – e dessa natureza, ocorre o chamado vício de iniciativa, pois gera custos ou diminuição da arrecadação para o Município –, nosso intuito foi justamente esse: conclamar a sociedade a pedirmos isso ao prefeito e o prefeito ter a sensibilidade de poder fazer com que esse projeto se torne realidade. Na primeira semana de abril, tivemos reunião com o prefeito e ele aceitou estar mandando, agora, abril/maio, o projeto para a Câmara Municipal. Meu projeto visa, inclusive, trazer um benefício não só para o cidadão goianiense, que terá direito ao ingresso na Faculdade, mas, também ao empresário. Nós temos instituições particulares em Goiânia que estão completamente endividadas, com uma inadimplência jamais vista, que se acentuou por causa da pandemia da [Covid-19] e esse meu projeto visa fazer um encontro de contas, onde a Prefeitura poderá pegar todo o valor global, diminuir, tirar 90%, reverter em Bolsa Municipal e, os outros 10% as instituições poderão fazer parcelamento desses débitos junto à Prefeitura. Então, dentre tantos projetos apresentados eu vejo que o do Bolsa Universitária Municipal é de grande importância, um marco para Goiânia e para o Estado de Goiás.

 

O vereador atua com vontade considerável. Atividades parlamentares na veia!?!

Sem dúvidas nenhuma, eu me considero ainda jovem, com muita força e vitalidade e, eu vim para a Câmara para fazer a diferença. Acho que a política goianiense e a política goiana passam por um momento de transformação. Nós temos uma perda de Maguito Vilela, temos a perda de Iris Rezende, temos o Marconi [Perillo] fora do Poder, temos o Caiado já partindo para seu segundo mandato com, 74 e, eu vejo que o Estado de Goiás passa por um momento de transformação para as próximas eleições. Automaticamente, eu, como vereador e presidente de um partido, quero fazer parte dessa transformação e dessa mudança.

 

Em outra frente de atuação, recentemente o senhor e o vereador Sargento Novandir (Avante) expuseram demandas, sugestões in loco ao prefeito Rogério e secretários, na região Norte. Da mesma forma, mantiveram contatos – todos juntos –, com populares. Somando toda essa dedicação, é algo que se estenderá enquanto estiver na Câmara?

Sem dúvidas nenhuma! Não tem condições um político ficar sentado atrás de mesa aguardando as demandas da sociedade. Nós temos que relembrar, rememorar que temos hoje um País com mais de 13 milhões de desempregados, poucas são as pessoas que têm condições de sair da sua casa para poder vir na sede da Câmara, por exemplo, trazer suas demandas. Nada mais justo do que o político ir na região, na rua, na cidade e ver as dificuldades daquela região, prova disso que nessa visita que fizemos in loco com o prefeito tivemos uma série de demandas que já foram prontamente atendidas. Pela primeira vez, na história, nós teremos a Feira Coberta na região Norte de Goiânia, algo que não existe, na verdade, em Goiânia, fora o Cepal [Centro Popular de Abastecimento e Lazer]. Já foi aprovado e vamos fazer uma emenda impositiva para que seja uma realidade a Feira Coberta no Jardim Guanabara. A Creche Menino Jesus [Centro de Educação Infantil Menino Jesus], que estava fechada há mais de seis anos – foi fechada por uma entidade que participava lá e foi envolvida em corrupção –, com trezentas crianças deixando de ir, de ter um local. Automaticamente, os pais não tiveram condições de poder trabalhar, pois era onde deixavam os filhos. Tivemos, na visita, várias demandas, que já foram autorizadas e que serão cumpridas ainda neste ano, para a região Norte de Goiânia.

 

Fale sobre projeto seu apresentado, versando sobre o combate ao etarismo.

Projeto bacana! Temos um problema cultural na nossa sociedade: o machismo de violência, mas vou falar especificamente do etarismo, que é o ponto que estamos falando. Hoje, contamos com uma gama de profissões que restringem a pessoa por causa da idade e não por causa da competência. Quer dizer: como pode, hoje, uma pessoa com 40, 45, 50 anos de idade não ter oportunidade, por exemplo, para trabalhar em shopping – que é uma realidade? Se a gente vai em um shopping, dificilmente vemos uma pessoa acima dos 40, 45, 50 anos trabalhando. São pessoas muito mais jovens. Esse projeto visa, de fato, fazer com que haja uma conscientização da população: a questão do etarismo! Não existe projeto de lei que seja capaz de reverter isso que não seja através da conscientização. Nosso principal objetivo com isso é fazer com que haja campanhas publicitarias contendo conscientização da sociedade, dizer o seguinte: não se preocupe com a idade, se preocupe com a competência que cada pessoa tem, independente do ano em que nasceu.

 

Duas opiniões suas focando empreendimentos estruturantes: como reduzir o número de obras paralisadas e as de ritmos lentos?

Nós temos um outro problema no Brasil, que é faz de qualquer jeito! Você vai em outros Países e, eles fazem projetos, por exemplo, de uma rodovia, de um viaduto e, trabalham o projeto durante cinco anos, executam a obra, como está, em 12 meses. Nós queremos fazer o contrário, queremos executá-lo, fazer um projeto em 12 meses e executar em cinco anos. Problema que temos aí que é uma realidade. Em relação à Prefeitura de Goiânia de maneira específica, sugerimos ao prefeito e ele prontamente acatou que obras iniciadas não serão mais paralisadas no Município de Goiânia. Nós passamos por problema muito sério, que foi um empréstimo realizado na gestão passada, com juro de agiota e, automaticamente, quem paga isso é o contribuinte. Reincidimos o contrato daquele empréstimo absurdo, de juro impagável e que, automaticamente, agora, fizemos convênio com a questão do banco, junto com a folha de pagamento. Economizamos quase R$200 milhões, que serão investidos no Município, sem poder pegar empréstimo.

 

Rodovia BR-153, que tem o dito percurso Trecho da Morte ou Máquina de Matar, entre Jaraguá e Mara Rosa: somando pretensões das iniciativas pública e privada, não é muita enrolação, não, quando o assunto é duplicação (assunto abordado pelo periódico já na sua fundação, em 2001)?

Eu quero agradecer o JORNAL CIDADE pela pergunta. Poucos têm coragem para dizer o que eu digo: nós temos 17 deputados federais que representam o Estado de Goiás e 41 deputados estaduais na Assembleia Legislativa. A pergunta que eu quero fazer: me diga, desde 2001, que é a data citada, qual foi o dia em que qualquer um desses parlamentares, seja na esfera federal ou estadual, fez um movimento – que seja político ou de greve ou de paralisação ou, para chamar atenção do poder público –, para resolver o problema? Nenhum! Infelizmente nós temos, tanto na Assembleia Legislativa como na Câmara Federal, políticos de carreira. Entra mandato, sai mandato, a pessoa permanece e os benefícios não chegam para a sociedade. Então, com todo carinho e respeito, a minha dica para a sociedade goiana é: renova! Muda! Mas, não é só mudar de nome, é mudar de pessoas, mudar para quem tem compromisso com a região e com cada projeto. Temos o doutor Cláudio Brandão [entre outras qualificações, médico e advogado, presidente da Associação Estadual de Apoio à Saúde {Organização Cláudio Brandão}, filiado no Avante, pré-candidato a deputado estadual], que representa muito bem a região Norte e, que tem trabalhado, se dedicado, é médico, advogado, tem deixado a sua vida privada para poder cuidar das pessoas. Assim, eu vejo que envolvendo homens como ele, a gente tem que fazer o movimento de renovação do parlamento, para que essas atitudes sejam, de fato, reais e não apenas no discurso.

 

Qual é a importância de cada região de Goiás ter suas características, com seus moradores, ajudando no desenvolvimento econômico do Estado? Interiorizar mais as ações governamentais é uma boa alternativa da parte do Governo de Goiás, do próprio governo federal?

Eu costumo dizer que você não deve concentrar riqueza em um local só, a partir do momento que nós temos a diversificação e a valorização das regiões de cada Estado. Existe uma região que pode se autossustentar e, prova disso – fica um exemplo real –, algo ocorrido quando o Maguito Vilela era governador do Estado e, ele teve a oportunidade de levar a Perdigão naquele momento para Jataí, mas que não foi para Jataí. Foi para Rio Verde, decisão que em um dia mudou a história de uma região por quase 20 décadas. Jataí, com todo carinho e respeito, é uma cidade produtiva, forte, mas, Rio Verde se tornou dez vezes mais forte por causa de uma decisão política. Infelizmente, eu sou um crítico dessa situação, vejo que não temos política de regionalização da geração de riqueza e renda. Eu, que fui candidato a vereador por Goiânia, tenho como sloganUm mandato produtivo, equilibrado e gerando oportunidades!. A pergunta, em um exemplo, é: quando a gente pega a região de Mara Rosa, na BR-153, por que, naquele momento em que veio a Hyundai para Goiás, não tiraram de Anápolis e colocaram na região Norte? Obviamente, teríamos milhares de empregos, uma construção civil muito mais aquecida. Sou parlamentar, político que viso muito poder atrair os investimentos de maneira regional.

 

São muitos os exemplos e os segmentos…

…A própria questão do turismo – eu repito mais uma vez a questão, por exemplo, de Mara Rosa, conhecida no Estado de Goiás e nacionalmente pelo açafrão –, não só por um segmento, mas, pelo turismo, açafrão, por outras questões. A farinha, que é um produto regional e famoso demais da conta… Quer dizer: por que não fazer uma rota turística específica para isso? Temos hoje o Estado de Goiás, que poderia viver apenas do turismo e, o nosso turismo não produz nem 20% daquilo que poderia, de fato, produzir. Eu vejo ser necessário mudança de curso na regionalização das riquezas do nosso Estado. São fatos interessantes, porém não temos, infelizmente, políticas públicas adequadas para proporcionarem melhorias para a indústria, o comércio, o turismo e outras áreas de determinadas regiões e determinados Municípios. Se nós fizermos uma pesquisa, agora, saindo, com 20 pessoas, talvez quatro, cinco conhecem aquela localização e o poder comercial, turístico de Mara Rosa.

 

[Leia mais na submatéria, abaixo

 

 

Thialu Guiotti: ‘Eleito, meu mandato será pautado pela geração de empregos e renda!’

Nesta submatéria, frisa-se que a militância política do entrevistado, vereador goianiense Thialu Guiotti (presidente estadual do Avante em Goiás), defende, entre outros, aspectos, a defesa da geração de oportunidades, empregos e renda, o fortalecimento dos Municípios e a interiorização dos investimentos industriais, comerciais e de prestação de serviço. Pré-candidato a deputado federal, ele comenta sobre as eleições de outubro e, diz ser difícil espaço exitoso para a terceira via em 2022 no plano nacional; apoia e crê na reeleição de Ronaldo Caiado (UB) para governador de Goiás; diz estar confiante em se eleger para o Congresso; e, acredita nas vitórias de doutores Cláudio Brandão e Rodrigo Fernandes, os dois de ligação com Uruaçu. Leia!

“Eleito, meu mandato será pautado pela geração de empregos e renda!”, diz Thialu Guiotti, pré-candidato a deputado federal – Fotos: Márcia Cristina/JORNAL CIDADE

 

Sobre o pacto federativo, o vereador analisa: “O discurso é muito bonito, porém não consigo ver praticidade nessa questão”

 

“Temos um País com mais de 13 milhões de desempregados! O que vamos fazer enquanto poder público para que essas pessoas, hoje na informalidade, desempregadas, possam ter a oportunidade de montar o seu pequeno negócio?”, alerta Thialu Guiotti, entrevistado por Jota Marcelo (dir.)

 

“Eu vejo a oportunidade dos dois serem eleitos!”, disse Thialu Guiotti à reportagem, sobre doutor Cláudio Brandão (na foto acima, à esquerda, durante a entrevista) e doutor Rodrigo Fernandes (na foto abaixo) (ambos, de ligação com Uruaçu), pré-candidatos a deputado estadual

 

Thialu Guiotti (dir.): “Vejo no governador Ronaldo Caiado (esq.) um homem sério que tem feito uma grande gestão, não fez politicagem no período até o momento e, eu tenho certeza que um homem que chega na idade que o governador chega, ele não quer outra coisa que não seja deixar um legado” – Foto: Rede social

 

De que maneira o vereador enxerga o atual momento da cena política brasileira?

A campanha polarizou, meu partido especificamente tem um pré-candidato à Presidência da República, que é o deputado federal por Minas Gerais – André Janones –, terceiro deputado mais votado de lá em 2018. Ele aparece muito bem nas pesquisas, inclusive na frente do João Doria [PSDB], governador de São Paulo, que tem 40% do PIB nacional nas mãos e, vem um cara, lá de Minas e, superou na espontânea alguém tão conhecido como ele, Doria [que renunciou ao mandato de governador, visando se candidatar a presidente]. No entanto, eu vejo a polarização real, eu não consigo ver hoje um espaço para a terceira via no Brasil, acho que o tempo é muito curto, o País mais uma vez se dividiu entre direita, esquerda e esquerda, direita. Percebo um crescimento gradativo do Bolsonaro [Jair Bolsonaro {PL}], que na minha opinião é o favorito para as eleições, apesar das pesquisas demonstrarem que o Lula [PT] está na frente. A gente não consegue visualizar, mensurar isso na rua, quando você vê o Bolsonaro na rua você vê uma multidão de apoiadores, quando você vê o Lula, uma pequena parcela da sociedade. Mas, quem decide é o povo brasileiro. Na minha opinião, minha pouca experiência política, vejo que não há espaço para a terceira via nas eleições 2022.

 

O senhor é pré-candidato a deputado federal. Eleito, de que forma seria sua atuação, englobando todas as regiões goianas?

Eu tenho uma pauta, muito embasada na questão de produção, geração de riqueza, geração de emprego e renda. Todos os programas sociais são de suma importância, a prova disso – eu acabei de apresentar o projeto, falado no começo da entrevista [na reportagem principal] –, é o Bolsa Universitária Municipal, projeto social! Mas, eu não consigo ver um País desenvolver, um Estado desenvolver, que não seja através de políticas públicas para que as pessoas possam produzir a sua própria riqueza. Repito: temos um País com mais de 13 milhões de desempregados! O que nós vamos fazer enquanto poder público para que essas pessoas, hoje na informalidade, desempregadas, possam ter a oportunidade de montar o seu pequeno negócio? O Governo de Goiás lançou um projeto que eu achei fantástico, que é a produção, a forma rentável de a pessoa poder gerar seu próprio negócio! Ela faz um curso no Sebrae [Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas {Sebrae Goiás}] [curso específicos para aprender a organizar melhor a vida financeira da empresa]. Em seguida, o Governo vai lá e subsidia, por exemplo, os equipamentos para um salão de beleza. Poxa, é disso que nós precisamos, é obvio que em alguns momentos o cidadão precisa do programa social, da cesta básica, de alguma coisa, mas, ele não pode viver só do Governo, que deve ser um gerador de oportunidades. Eleito, meu mandato será pautado pela geração de empregos e renda! Muitas pessoas estão em discussão ideológica direita-esquerda, obviamente eu defendo a família, eu sou de direita, mas, eu não quero saber! Às vezes, você tem projetos importantes que são de deputados de outros partidos e, eu, enquanto parlamentar, quando chega projetos pra mim, mando retirar o cabeçalho, eu não quero saber de quem foi o projeto, quero saber se o projeto é bom, então eu não quero essa discussão ideológica apenas, eu quero saber o que é bom para o Brasil. Enquanto estamos discutindo isso, milhares de pais estão desempregados, pessoas estão perdendo suas vidas suicidando, porque não têm condições de pagar dívidas! O que que vamos discutir? Eu quero discutir oportunidades para o cidadão brasileiro.

 

Vereador visionário, mesmo ainda não ocupando cadeira em Brasília, o senhor considera ser possível o tão sonhado pacto federativo se tornar uma realidade (com o governo federal sendo mais justo com a municipalidade)?

Eu sou um defensor do pacto federativo, acredito nisso! Agora, vamos trabalhar de maneira prática e objetiva, pois eu não consigo ver isso sendo uma realidade, não consigo ver um presidente da República e um Congresso, de fato, se importando com os prefeitos, lá da ponta. Essa, inclusive, é uma manobra, forma de manter todos debaixo, ali, de sua tutela. O discurso é muito bonito, porém não consigo ver praticidade nessa questão do pacto federativo. Nós tivemos a oportunidade, inclusive, através do próprio Bolsonaro, que pregou muito isso, falando muito isso, porém estamos no final do mandato dele e, infelizmente, nada ocorreu. Não consigo ver um momento tão favorável, como nós tivemos nos dois primeiros anos, que pudesse ser realizado e não foi. Você tem, ali, interesse político dos grandes, que é, de fato, quem determina a política nacional que deseja. Ou seja: que permaneça da maneira como está.

 

Nacionalmente, o Avante é sinônimo de sucesso no quesito filiações, visando disputas para deputado federal e estadual. Comente.

O nosso partido visa primeiro trazer uma disputa igualitária, esse é um discurso de muitos dirigentes partidários, mas, não é a prática. E, aqui, eu não estou vendendo um projeto ao qual eu já não realizei. Antes das eleições de 2020 do Estado de Goiás, quando eu assumi o partido, faltando seis meses para o prazo final de filiação, não tínhamos nenhum vereador eleito no Estado. Nas eleições 2016, tivemos uma votação de aproximadamente 15 mil votos em todo o Estado. Terminada campanha de 2020, entregamos um resultado que foi o maior proporcionalmente do Estado de Goiás. Fizemos 20 vereadores e chegamos a 95 mil votos! Quer dizer: um crescimento extraordinário. Para as eleições de 2022, eu não precisei convencer as pessoas de que nós temos um projeto real, uma vez que esse projeto real já foi demonstrado! Então, agora, temos uma chapa, por exemplo, de deputado estadual que, certamente, elegeremos três deputados estaduais. São pessoas do bem, que se importam com a sociedade, nós não estamos, aqui, buscando… Ah, porque é da família política!… Aqui são homens e mulheres que se importam com o Estado de Goiás, prova disso, doutor Cláudio Brandão, médico, advogado, tem dedicado sua vida para poder servir o cidadão goiano. O pai da doutora Ludhmila Hajjar, que é o doutor Samir Hajjar! Os vereadores [por Goiânia] Sargento Novandir e Geverson Abel. Nós temos o Isaac [Mendonça – engenheiro civil e agropecuarista], ex-presidente do Sindicato Rural de Mineiros. Nós temos o André do Premium, que foi candidato a prefeito de Santo Antônio do Descoberto. Resumindo: são homens e mulheres, óbvio, que têm compromisso com o Estado de Goiás, que não dependem da política para viver, mas, que estão colocando seus nomes à disposição para serem avaliados pelo Estado de Goiás.

 

Entre os nomes aptos a concorrer às vagas para a Assembleia, estão os dos doutores Cláudio Brandão (já mencionado) e Rodrigo Fernandes, ambos de ligação com Uruaçu, cidade da filial desse periódico. Última vez que o Município elegeu deputado foi em 1982. Essa tradição negativa tende ser quebrada 40 anos depois?

Eu vejo a oportunidade dos dois serem eleitos! Ainda não tive um contato próximo com o doutor Rodrigo, ele veio através de outro dirigente que faz parte do nosso partido, eu não o conheci pessoalmente ainda, mas, tive boas referências, uma pessoa trabalhadora, que tem boa referência na cidade. Qual é o grande diferencial – e, eu vejo a chance dos dois serem eleitos? Nós temos um partido, nós não temos figurões, nós não temos aqui pessoas que vão precisar de 30 mil votos para se eleger, nós acreditamos que os deputados estaduais serão eleitos com uma média entre 13 mil, 15 mil votos. Então, se torna muito real a eleição do doutor Cláudio Brandão e do doutor Rodrigo, nomes da região Norte goiana, além do fato que o doutor Cláudio Brandão tem base eleitoral também em Goiânia.

 

Além do que já foi afirmado, recentemente, por que o Avante apoia o governador Ronaldo Caiado – que tentará a reeleição?

Em 2020, nós, enquanto partido, demos toda sustentação para os pré-candidatos a prefeito do governador Ronaldo Caiado. Eu acredito e falo – até porque estou no meu primeiro um ano e quatro meses de mandato –, que quando alguém eleito para o Poder Executivo, no caso do governador Ronaldo Caiado, entra, até ele arrumar a casa, ajeitar aquilo, vamos dizer, bagunçado, gera um tempo! E, lembrando que o governador pegou um Estado em situação difícil – todos os governadores, nós passamos momento de pandemia… Quer dizer: foram dois anos e pouco de recessão, de porta fechada e, o governador, infelizmente, não conseguiu entregar aquilo que certamente ele poderia entregar, se nós não tivéssemos passado por esse momento. Vejo no governador Ronaldo Caiado um homem sério que tem feito uma grande gestão, não fez politicagem no período até o momento e, eu tenho certeza que um homem que chega na idade que governador chega, ele não quer outra coisa que não seja deixar um legado. Então, acreditamos no trabalho do governador e temos tudo para caminhar com ele nas eleições de 2022.

 

Qual é o seu ponto de vista sobre a ampla relação política-religiões-igrejas e vice-versa?

Poxa, pergunta interessante! Eu sou evangélico, sou evangelista, sigo a Cristo há 22 anos e, no entanto, vou ser muito objetivo na minha resposta. Eu sou contra a forma que hoje as Igrejas, as instituições religiosas participam da política. Temos dois momentos da vida religiosa na política. Até 20 anos atrás, tínhamos a Igreja completamente distante da política, a política era uma coisa do demônio e a Igreja era coisa de Deus. A Igreja não se misturava com a política. Infelizmente, de uns 20 anos para cá e, principalmente nesse momento em que estamos vivendo, a Igreja se tornou contrário, ela está mais dentro da política do que dentro da própria eclésia. Infelizmente, vemos os grandes Ministérios e as grandes Igrejas do Estado de Goiás colocando como representantes apenas filhos e parentes desses presidentes. Não tenho nada contra o fato de uma pessoa ser filha de um presidente e não poder participar da política, mas, também não pode ser o contrário! – Para fazer parte da política, tem que ser parente da cúpula da Igreja!. Então, fui candidato a vereador por Goiânia, não busquei apoio das Igrejas. Não, porque eu acredito. Não, porque eu não quero, mas, eu não gostaria de misturar da maneira que está hoje. Então, se nós pegarmos todos os Ministérios hoje do Estado de Goiás – todos, sem exceção! –, os representantes ou é o filho, ou é a esposa, ou é o genro dos presidentes e, na minha opinião a política é tão importante e é tão santa como o sacerdócio. Infelizmente, temos pessoas que não têm compromisso, não vou falar nem de religião, mas, não têm o compromisso cristão dentro da política, que deveria ser o contrário. Na minha concepção, a Igreja tem que rever a forma de participar do processo eleitoral. Para ser político representante da Igreja, na minha concepção, não tem que ser prerrogativa ser parente. Tem que ser prerrogativa ter o chamado para isso!

 

Assista: Vereador Thialu Guiotti fala ao eleitorado que está desanimado com a política, indisposto para ir votar

 

(Jota Marcelo. Postagem original, em 14/04/2022, no link Estaduais, e, posteriormente na edição impressa da quinzena 1º a 15/04/2022 do JORNAL CIDADE. Atualizada e adaptada, a reportagem ganha postagem no link Principal, neste 09/05/2022)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!