Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 23 de maio 2019

Atendimento ao funcionalismo público. Oficialmente, o SINDIURUAÇU E REGIÃO atua no Município de São Francisco de Goiás

O presidente Mário Ribeiro Filho (Marinho), assessorado administrativa e juridicamente, desenvolveu atividades sindicais, dia 10 de maio, em São Francisco de Goiás, mais um Município que está se juntando ao Sindicato sediado em Uruaçu e que em 9 março de 2019 chegou aos 20 anos de atuação ininterrupta.

 

Durante estada em São Francisco de Goiás na tarde de 10 de maio, o presidente Marinho, a assessora jurídica doutora Juliana e a administrativa Paula Xavier atenderam o funcionalismo público, tratando de vários temas – Fotos: Márcia Cristina/ASCOM Sindicato

 

Nesta imagem do dia 10, Marinho na porta da sede da Prefeitura da cidade de cerca de 6,4 mil habitantes

 

Duas décadas de Prefeitura, Edwan Vieira dos Anjos disse à reportagem: “A chegada do Sindicato de Uruaçu é em boa hora. Quando comecei a trabalhar na Prefeitura, eu recebia dois salários mínimos. Hoje não recebo nem um salário e meio. Temos, agora, o Sindicato para nos ajudar”

 

Nivaldo Alves da Silva (Bim): “Com a excelência do trabalho qualificado do Sindicato e do Marinho, com a equipe dele, queremos mudar essa realidade”

 

Sérgio Santos, motorista concursado do Transporte Escolar, expressou: “Pra mim, vai ser bom! A situação é difícil, ninguém nunca se interessou por nós”. Comentando que direitos adquiridos não são respeitados na integralidade, destacou série de direitos dele que não vieram a ser respeitados, além de relembrar assédio moral sofrido

 

Wellington José, servidor concursado da Limpeza Urbana desde 2001: “A Prefeitura só quer tirar nossos diretos”

 

Doutora Juliana (na imagem, ladeada por Bim), assessora jurídica do Sindicato: defesa do cumprimento de direitos dos servidores municipais

 

Paula Xavier, colaboradora administrativa do SINDIURUAÇU E REGIÃO: experiência no atendimento ao funcionalismo público e contatos pioneiros no Município de São Francisco de Goiás

 

SINDIURUAÇU E REGIÃO também está habilitado para defender interesses dos servidores da Câmara Municipal de São Francisco de Goiás

 

Marinho (em foto de estada anterior na Prefeitura): “É imensa a falta que faz uma representação sindical em determinados lugares de Goiás e do Brasil. Em certas ocasiões, deparamos com total falta de informação sobre direitos dos servidores públicos”, lamenta, desejando: “Tomara que a atual e as próximas gestões sejam as melhores da história de São Francisco para o funcionalismo” – Foto: Selfie/Divulgação

 

Marinho, em frente à sede do SINDIURUAÇU E REGIÃO: “Temos consideração de destaque para com os filiados de todos os Municípios, onde em cada um o Sindicato pode contar com servidores com bom espírito de liderança” – Foto: Márcia Cristina/ASCOM Sindicato (Arquivo)

 

Sindicato dos Servidores está ganhando salão social para abrigar a realização de eventos – Foto: Márcia Cristina/ASCOM Sindicato (Arquivo)

 

Entidade que funciona de fato, em favor dos servidores públicos municipais. Presidente que age coletivamente, não se preocupando com holofotes e glamour. SINDIURUAÇU E REGIÃO e Mário Ribeiro Filho (Marinho).

Praticando expansão geográfica qualificada em sua atuação, a entidade está chegando a três novos Municípios – São Francisco de Goiás, Porangatu e Santa Tereza de Goiás. A meta, em futuro breve, visa somar 20 Municípios sindicalizados, contabiliza o dirigente, citando as 11 localidades já consolidadas: Uruaçu, Campinorte, Nova Iguaçu de Goiás, Alto Horizonte, Mara Rosa, Amaralina, Estrela do Norte, Mutunópolis, Barro Alto, Santa Rita do Novo Destino e Nova Glória. “Doze com São Francisco e, em breve Porangatu e Santa Tereza. Muito trabalho, na defesa do servidor”, analisa Marinho. “O Sindicato está se interligando a novos Municípios e cada vez mais temos bom relacionamento com o servidor público, sem atacar ninguém. Não temos inimigos, respeitamos todos os prefeitos, presidentes de Câmaras, apenas buscamos, de forma clara, o cumprimento dos direitos dos companheiros, em sua maioria, pessoas que ganham pouco. Eles, mais do que ninguém, fazem a máquina pública funcionar”.

 

Em São Francisco de Goiás

Na tarde de 10 de maio, o presidente Marinho esteve na cidade do Vale do São Patrício, juntamente com a advogada Juliana de Melo Campos e a colaboradora Paula Xavier, da área administrativa da representação que em 9 de março de 2019 completou 20 anos de existência e atuação permanente.

Analisando que a expansão territorial das atividades sindicais são vitais, Marinho chama atenção sobre o quanto é negativo o não alcance de informações por parte do funcionalismo, o quanto é prejudicial, em boa parte dos Municípios do Brasil, o fato de os trabalhadores públicos não terem com quem esclarecer dúvidas, apontar soluções, resolver as questões (se preciso for, judicializando causas).

Nas atividades sindicais do dia 10, diálogos com o funcionalismo focando assuntos diversos, todos de interesse coletivo, como por exemplo, filiação; vantagens de se tornar filiado; benefícios que cada sindicalizado tem; adesão ao plano de saúde do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo); direitos trabalhistas públicos; e, respostas aos questionamentos dos servidores em geral.

Marinho quase sempre relembra: “Temos consideração de destaque para com os filiados de todos os Municípios, onde em cada um o Sindicato pode contar com servidores com bom espírito de liderança”.

“O SINDIURUAÇU E REGIÃO chega ao Munícipio de São Francisco de Goiás para auxiliar e fazer com que a administração pública cumpra os direitos dos servidores municipais. Além de seus filiados terem direito ao plano de saúde Ipasgo, sublinhou doutora Juliana à reportagem.

 

‘Fala, servidor!’

A Assessoria de Comunicação (ASCOM) do Sindicato procurou servidores públicos de São Francisco de Goiás e ouviu relatos destacando a importância de a entidade passar a atuar no Município.

De forma natural, todo colaborador com atuação no serviço público municipal detém a sua história de vida profissional, com torcida para que o histórico de lutas da classe (de forma isolada, mas agora coletiva) em meio às adversidades resulte em conquistas presentes e futuras.

Confira opiniões obtidas in loco pela ASCOM na data informada:

Duas décadas de Prefeitura, Edwan Vieira dos Anjos, concursado, com atuação na área de Infraestrutura e Urbanismo, disse que poder sindicalizar ao SINDIURUAÇU E REGIÃO representa “garantia de benefícios, ter voz ativa. Até agora, não tínhamos ‘ninguém’ para nos representar. A chegada do Sindicato de Uruaçu é em boa hora. Quando comecei a trabalhar na Prefeitura, eu recebia dois salários mínimos. Hoje não recebo nem um salário e meio. Temos, agora, o Sindicato para nos ajudar”.

Fiscal de tributos, Nivaldo Alves da Silva (Bim), também 20 anos de Prefeitura, comentou que o funcionalismo público de São Francisco de Goiás “sempre esteve desamparado. Nunca fomos respeitados. Agora, com a excelência do trabalho qualificado do Sindicato e do Marinho, com a equipe dele, queremos mudar essa realidade. Esperamos, com a vinda do Sindicato, ter garantias respeitadas. Confiamos no nosso presidente, na doutora Juliana, na Paula e, sabemos que vai melhorar a situação do servidor”.

Sérgio Santos, motorista concursado do transporte escolar desde 2001, expressou: “Pra mim, vai ser bom! A situação é difícil, ninguém nunca se interessou por nós”. Comentando série de direitos dele que nunca vieram a ser cumpridos por completo pela Prefeitura, citou não ter respeitadas causas, como o direito ao cartão de ponto para registro de entradas e saídas das jornadas; e, o recebimento justo de adicionais noturno e, de insalubridade, mais horas extras trabalhadas. Reclamou também à reportagem, perseguição política sofrida, prática frequente nas repartições públicas brasileiras. “Fui colocado para ficar ‘parado’ e assim permaneci por meses”, manifestou em relação à opressão sofrida, acrescentando ter denunciado junto ao Ministério Público (MP). Vício, forma comum de punir o funcionário público em decorrência do que ele defende como ideal, seja por questões de lutas por direitos, partidárias, sindicais, religiosas, etc, o assédio moral o expõe a situações constrangedoras.

Wellington José, motorista concursado da Limpeza Urbana há oito anos, informou também nunca ter sido sindicalizado, pois a presença sindical pública no Município jamais existiu e reclamou: “A Prefeitura só quer tirar nossos diretos. Espero que melhore”, disse.

“É imensa a falta que faz uma representação sindical em determinados lugares de Goiás e do Brasil. Em certas ocasiões, deparamos com total falta de informação sobre direitos dos servidores públicos”, lamenta Marinho, que deseja: “Tomara que a atual [2017-2020] e as próximas gestões sejam as melhores da história de São Francisco para o funcionalismo público”.

A reportagem tentou ouvir Wilmar Ferreira da Silva (PSDB), prefeito de São Francisco de Goiás, que desenvolvia trabalho institucional fora da sede do Poder Executivo. Por telefone, não foi possível localizar o gestor. O mesmo e os antecessores têm total liberdade para se manifestarem legalmente neste espaço jornalístico.

 

Expansão com diálogos

“Em São Francisco, através de diálogos, convidamos o funcionalismo para uma reunião, que foi realizada dia 22 de março, no plenário da Câmara Municipal. Essa troca de informações é importante para esclarecermos tudo! É um plano de comunicação nosso. Conversar com o servidor. Sempre fizemos isso – conversar com o servidor –, de domingo a domingo, assinala Marinho, comunicando que da pauta da reunião inicial constaram, entre outros assuntos:

-Apresentação do Sindicato, documentalmente, verbalmente e através de slide.

-Exposição focando o cotidiano, as atividades sindicais e institucionais, o trabalho em geral da entidade.

-Explanação sobre a relação Sindicato-servidores; Sindicato-entidades sindicais; Sindicato-Poderes.

-Regimes Previdenciários.

-E, outras explanações.

-Espaço aberto aos participantes para questionamentos, debates, resolução de dúvidas, sugestões e críticas.

 

Resistência contra injustiças

Para Marinho, a mobilização, resistência contra injustiças, ataques dos governos, fundamentado nas entidades maiores aliadas do Sindicato – Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) e Federação das Entidades Sindicais dos Servidores Públicos Municipais do Estado (FESSMEGO; antiga FESSPUMG) e Nova Central Sindical de Trabalhadores em Goiás (NCST Goiás) –, não tem nada de banal, mas sim representa luta diária pelos direitos dos trabalhadores. “Estamos em maio, mês que marca o trabalhador em geral, com o ‘1º de Maio’”. Certa vez, o presidente cravou: “Momento de lembrar a importância das lutas travadas por essas instituições e as conquistas alcançados por elas e por cada trabalhador. Que a cada ‘Dia Mundial do Trabalho’, nós trabalhadores, tenhamos muito a comemorar”.

O nome completo da entidade é Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uruaçu, Campinorte, Nova Iguaçu de Goiás, Alto Horizonte, Mara Rosa, Amaralina, Estrela do Norte, Mutunópolis, Barro Alto, Santa Rita do Novo Destino e Nova Glória (SINDIURUAÇU E REGIÃO). Com a incorporação de novos Municípios, a denominação é e será atualizada, tudo dentro das normas do estatuto, com aprovação por maioria dos integrantes sindicais.

 

Presidido por Mário Ribeiro Filho (Marinho), que tem Joceliente Vicentini Alves Martins (Professora Jô) na vice-presidência, o Sindicato está aumentando número de Municípios filiados, exemplos de São Francisco de Goiás, Porangatu e Santa Tereza de Goiás

 

(Informações: ASCOM/Sindicato)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!