Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 10 de dezembro 2019

Professor Alcides diz que Enel deixa Estado engessado

“Hoje fica inviável a implantação de uma nova empresa em Goiás e isso nos preocupa muito”, externa o congressista Professor Alcides. Reunido com bancada goiana na capital federal Brasília, Ronaldo Caiado informou que esteve, antes, com o ministro de Minas e Energia, Almirante Bento Albuquerque.

 

Entre os integrantes da bancada, na reunião de 7 de agosto em Brasília, o deputado federal Professor Alcides [na foto 1, com Ronaldo Caiado] disse que “hoje fica inviável a implantação de uma nova empresa em Goiás e isso nos preocupa muito” – Fotos: Assessoria/Divulgação

 

 

O governador Ronaldo Caiado (Democratas) participou de reunião com a bancada federal de Goiás na tarde de 7 de agosto para tratar dos serviços prestados pela Enel no Estado, empresa que comprou a Celg em novembro de 2017 por R$2,187 bilhões, montante dividido com a Eletrobras, que era sócia da estatal.

Durante a reunião, realizada na Liderança do Governo na Câmara Federal, em Brasília, Caiado disse aos parlamentares que esteve, pela manhã, com o ministro de Minas e Energia, Almirante Bento Albuquerque.

O titular do Governo de Goiás deixou a entender que apresentará uma proposta de retomada da Celg pelo Estado. “Estamos avançando numa proposta que, realmente, vai ficar difícil para a Enel recusar sobre o que Goiás propõe”.

 

Engessado

Caiado tem apoio da maioria da bancada goiana na sua demanda com a Enel. Um dos participantes da reunião, o deputado federal Professor Alcides (PP) disse que o governador mostrou uma realidade caótica da Enel hoje em Goiás.

“A empresa que comprou a nossa Celg até agora não fez investimentos e isso faz com que o nosso Estado esteja engessado. Hoje fica inviável a implantação de uma nova empresa em Goiás e isso nos preocupa muito. Devemos nos reunir com o ministro das Minas e Energia e depois com o presidente [Jair] Bolsonaro [PSL] para que a gente possa encontrar uma solução para o problema da Enel”.

Na época da compra da Celg, a empresa italiana ficou de investir R$3 bilhões nos três anos seguintes em tecnologias e equipamentos para melhorar a qualidade do serviço prestado aos goianos, o que parece não estar acontecendo.

O governador vai levar adiante e a intenção dele é reivindicar a cassação do contrato de concessão de energia firmado com a empresa.

Por meio de nota, a Enel Brasil informou que não recebeu nenhuma notificação oficial do governo federal em relação à concessão de sua Distribuidora em Goiás.

 

(Comunicação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!