Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 23 de abril 2019

Luta contra hanseníase é lembrada no dia 27 de janeiro

A hanseníase é uma doença infecciosa, causada por bacilo que acomete a pele e os nervos. Goiás registra redução gradativa do número de casos novos da doença, que registrou 1,342 mil pacientes com os sintomas no ano 2017 – Fotos (inclusive a da página principal): Divulgação

 

No próximo domingo, dia 27, será celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, data instituída pela Organização Mundial de Saúde. Este ano terá como tema as incapacidades físicas causadas pela doença, que coloca o Brasil na segunda posição do mundo, entre os Países que registram novos casos desse importante problema de saúde pública.

Em Goiás, a hanseníase apresenta redução gradativa do número de casos novos. Mesmo assim, nos últimos anos, são detectados cerca de 1,4 mil registros por ano. Em 2016, a estatística foi de 1,320 mil casos notificados. Em 2017, foram 1,342 mil casos novos e, em 2018, os dados parciais 1,321 mil notificações. Porém, os dados representam 20,4/100 mil habitantes no coeficiente de detecção, índice considerado alto segundo os parâmetros da OMS.

A hanseníase é uma doença infecciosa, causada por bacilo que acomete a pele e os nervos. A forma de contágio ocorre pelas vias aéreas superiores (ao falar, tossir ou espirrar), por pessoas doentes que não estejam em tratamento. Os sintomas são manchas brancas, acastanhadas ou avermelhadas na pele, com dormência, perda de pelos, caroços pelo corpo, inchaço na face e nas orelhas.

Quando não diagnosticada e tratada precocemente, a hanseníase evolui para incapacidade física, principal responsável pelo preconceito e discriminação às pessoas acometidas pela doença, que tem cura. Os medicamentos são gratuitos e estão disponíveis na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). O tratamento varia de seis meses a um ano, dependendo da quantidade de bacilos e lesões.

 

Prevenção

Magna Carvalho, gerente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde de Goiás (SES-GO), explica que o diagnóstico precoce e o tratamento oportuno são as principais formas de prevenir as deficiências e incapacidades físicas causadas pela hanseníase. Para a prevenção de incapacidades físicas destacam-se ações fundamentais, como educação em saúde, diagnóstico precoce, tratamento regular com a poliquimioterapia, vigilância dos contatos, detecção precoce e tratamento das reações e neurites, apoio emocional e psicológico, e ainda integração social e realização do autocuidado.

O atendimento aos portadores de hanseníase em Goiás tem como porta de entrada a atenção primária, a partir das Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Os casos com suspeita de recidiva, menores de 15 anos, reações de difícil controle e outras complicações deverão ser encaminhados às unidades de saúde de maior complexidade para confirmação diagnóstica.

Com o objetivo de estimular a população a procurar o serviço de saúde, bem como incentiva a busca ativa pelos profissionais de saúde, a Coordenação Estadual de Controle as Hanseníase/SES/GO incentiva e recomenda às Regionais de Saúde e aos Municípios que sejam promovidas durante a última semana do mês de janeiro atividades alusivas ao Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase.

 

(Informações: Comunicação Setorial da SES-GO)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!