RELIGIÃO

DR. PADRE CRÉSIO RODRIGUES

Puxão de orelha

Quem gosta de puxão de orelha? ninguém, em princípio… Sim, há aqueles que admitem correções por cultivarem um ideal de crescimento e já possuírem uma virtude magnânima: a humildade. De mais a mais, ninguém gosta de corretivos! Menos ainda quando eles ocorrem em público, ou quando vem de quem não é modelo de retidão coisa nenhuma.

Entretanto, os puxões de orelhas seguem existindo e não hão de desaparecer. Faz parte do processo civilizatório ou educativo, faz parte da lógica da sinceridade e de certo idealismo. Ora, chega de bajuladores, falsas aprovações, basta de elogios fingidos, de enganação agora para fisgar e fritar depois.

Quem pode/deve puxar a orelha? Aqueles que sentem a nobre tarefa de humanizar o homem, vocação de gestar e promover humanidade. Os pais, professores e outras autoridades, os amigos verdadeiros, em certas circunstâncias, não vão deixar de puxar quem vai rumo ao abismo.

Mas não cabe agir com ódio nem ditadura, a correção deve nascer do amor e assim ser feita. Violência não calha, menos ainda com crianças; brutalidade não convém, menos ainda de varões sobre mulheres. Briga por machismo ou feminismo é enfermidade, carece de tolerância e sobra egoísmo. Santo Agostinho, São João e São Paulo ensinam: anteponham o amor, a verdade na caridade. Sem amor não sou nada, nada corrigirei, a ninguém ajudarei.

Dar puxões de orelha é, às vezes uma missão não tão agradável, mas árdua. Que o diga Jeremias (1,17.19), o profeta que sabia ser renegado ante o que deveria proferir. Sê corajoso e fala, senão te farei tremer ante o povo, diz-lhe Deus, farão guerra contra ti… Que tarefa difícil, ter que fazer algo sabendo que vai dar zebra, não terá sucesso. Opa, mas aqui há um consolo incomparável: Estou contigo e vou te defender, garante o Senhor dos exércitos a ele e a cada um que assume o dever de, oportunamente, puxar a orelha.

Parece hoje haver demasiada complacência ante o “malfeito” ou medo de reações violentas dos brutos; há covardia e conivência em erros e crimes. A Educação Formal quase não educa propriamente (porque não enxerga um fim absoluto, é puro relativismo), converteu-se em instrumento de informações e fontes de diplomação. Pais se omitam… Não corrigem, crescem filhos lânguidos, fracos, chorões sem razões. As árvores que sofrem rajadas de ventos aprofundam suas raízes e ficam fortes. A omissão no dever de educar é lamentável… Os prejuízos se prolongam por anos no mal caratismo do malcriado. É de menino que se torce o pepino (Pr. 22,6).

Pra corrigir tem que ter moral, diz o povo! Mas, cá conosco, não é preciso ser perfeito para tentar ajudar o outro e arriscar uma correção fraterna. Uma coisa é ter trave no olho e querer tirar cisco no olho alheio (Lc. 6,41); diferente desta hipocrisia, é nobre quando, mesmo tendo no olho um cisco, alguém procura libertar da cegueira um outro. Então, quem corrige do jeito certo tem autoridade, está autorizado, terá um escudo protetor que não falha: o Senhor dos senhores, que nos ama como filhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!