Editor-Chefe: Jota Marcelo

Uruaçu, Estado de Goiás, 21 de outubro 2019

RELIGIÃO

PADRE CRÉSIO RODRIGUES

Homilia na Missa de aniversário de Uruaçu – 88 anos de emancipação politica

Acolho hoje, em nossa Paroquia São José Operário, o governo de nosso Município, na pessoa do prefeito Valmir Pedro Tereza e sua esposa Anne Ligia, os secretários, superintendentes, coordenadores de programas da Prefeitura, demais funcionários e todos os presentes para esta noite de Ação de Graças pelos 88 anos de emancipação política de Uruaçu.

O prefeito e a primeira-dama assistiram o povoamento da antiga Vila da Palha, hoje setor Aeroporto e, do bairro São Vicente, bem como os outros bairros que compõem esta Paróquia: Campo Formoso, Vale do Sol, Sol Vermelho, Rosen Park e Ana Park, Santa Helena, Vitória, Serra Verde, Recanto da Serra, Jonas Veiga… Este casal continua vivendo no mesmo setor e trabalhando pela melhoria desta região da cidade; foi desejo do próprio prefeito a celebração de uma Missa em cada Paróquia para agradecer a Deus as conquistas e consagrar a Ele nosso Município.

A PSJO, antiga capela do setor Aeroporto, vem fazendo história em Uruaçu, comunidade que pela profissão de fé dá sua colaboração no progresso da sociedade edificando famílias, educando crianças e estimulando suas responsabilidades cívicas e espirituais: somos cidadãos da terra e do Céu.

Caríssimos, as instituições modernas costumam ser criadas e organizadas através de um decreto, dado pela autoridade competente. Um decreto cria um Município, desmembra um Estado, promulga leis, distribui funções oficiais a serem cumpridas.

Encontramos no Evangelho de hoje (Mt. 16,13-19) uma espécie de decreto de Jesus Cristo criando sua Igreja. Um decreto oral. Neste decreto o Senhor habilita Pedro como fundamento visível de sua comunidade de fé. Este fato vai se tornar mais claro em Pentecostes, quando Jesus já não está mais fisicamente no mundo e Simão Pedro assume a liderança. O Divino Encarnado previu seu retorno ao Pai e antes disto quis deixar uma autoridade humana para confirmar os irmãos na fé dizendo: Pedro apascenta minhas ovelhas. Além dos apóstolos e todos os que viriam a colaborar na expansão da fé cristã, Jesus colocou um homem à frente da Igreja que estava fundando, certamente pela importância da unidade e da comunhão de doutrina e organização desta instituição. Como sabemos, pessoas de um grupo que não reconheça um líder, que não tenha uma autoridade legitimamente definida, tende a entrar em concorrência e se dividir. Toda instituição deve ter uma autoridade maior que seja respeitada, que assuma a responsabilidade nas horas de glória e de crises. Com a partida de Jesus Cristo ao Céu, a liderança da fé cristã é assumida por Pedro, isto pode ser constatado nos Atos dos Apóstolos quando ele realiza o primeiro Concílio e dá determinações de fé acolhendo os pagãos na comunidade sem que tivessem que passar pelo judaísmo.

Num dia 4 de julho, há 88 anos passados, Uruaçu antiga Vila de Sant’Ana, recebia seu decreto de fundação como Município. Esta autonomia lhe conferia um espaço territorial, constituía os Poderes próprios e necessários a seu modo: Legislativo, Executivo, Judiciário, militar, etc. A organização governamental de um Município é fundamental para seu desenvolvimento, responsabilizando as pessoas adequadamente dentro das funções públicas como um serviço aos munícipes. Podemos imaginar as peripécias políticas e econômicas porque passou Uruaçu nestas nove décadas. Mas ele se manteve como Município, tendo hoje o Valmir Pedro como sucessor dos anteriores dirigentes da cidade. O prefeito de hoje é legitimamente herdeiro de coisas boas e das mazelas que marcaram a história de Uruaçu, ele tem o dever de fazer o melhor possível, dar o melhor de si em favor dos uruaçuenses a quem governa.

Assim ocorre na Igreja há dois mil anos: o Papa Francisco hoje é o legítimo sucessor de Pedro e de Paulo, é a autoridade principal na organização e missão evangelizadora da Igreja. Estes mártires, que recordamos no calendário hoje, não foram esquecidos porque honraram a Deus cumprindo sua missão com amor e total entrega. Para fazer cidadãos do céu, isto é, conduzir as pessoas à felicidade eterna, é preciso deixar-se guiar por Deus, ter humildade e obedecer fazendo o que é certo.

Os cidadãos da Terra, já cansados de administradores egoístas e despreparados, merecem lideranças capacitadas, dedicadas ao serviço público. Como dizia o filósofo Platão, o bom governante é dotado de virtudes morais, especialmente a coragem, a temperança, a sabedoria e a justiça. Como cristãos que somos, acrescento a FÉ nesta lista. O lema deste governo é a construção de uma cidade mais justa e humana. Que grande tarefa, senhor prefeito! Excelente inspiração que nós uruaçuense também almejamos.

A justiça é destacada por Platão, em sua obra A República (380 a.C.). Ela é entendida como uma harmonia e ordem das partes em função da consecução de objetivos comunitários, condição para a felicidade da comunidade e de seus membros. A justiça requer que o Estado construa sua legítima autoridade integrando os distintos grupos sociais em uma unidade sócio-política. Na Administração, os projetos comuns sejam racionalmente eleitos e assumidos especialmente por suas lideranças administrativas; na pólis (=cidade) pensada na República por Platão os interesses são os da coletividade e os governantes devem promover o bem-estar geral; Jesus acrescentaria, socorrendo primeiramente os mais fracos. Todavia, o dever é também dos cidadãos que precisam assumir responsabilidades, desenvolver suas capacidades, talentos e interesses na prática das virtudes e, consequentemente, da justiça. Dou como exemplo: pagar os impostos devidos, não colocar fogo nos quintais, não jogar lixo na rua, não quebrar nem pichar as praças e prédios públicos, não deixar água parada como criatório de dengue, evitar a poluição sonora… Meu Deus! Uruaçu tá demais problemático nestes quesitos!

Como vocês notaram nestas duas explicações (decreto religioso e decreto político), nós temos dupla cidadania. Somos da Terra e do Céu. Nossos deveres e direitos devem ser exercidos dentro destas duas realidades: social e espiritual. Dois textos da Antiguidade (Carta a Diogneto e um discurso de Tertuliano) trataram do distintivo espiritual do cristão, mesmo estando inserido entre os cidadãos da Terra.

O cidadão de Uruaçu deve obedecer às leis da boa convivência comunitária e colaboração com o bem comum. Por exemplo, não colocar fogo, não deixar água parada, não criar animais, não exagerar no barulho, pagar os impostos, preservar as coisas públicas, etc. A autoridade que governa tem também seus deveres. Trata-se de uma via de mão dupla: cidadão cumpre sua parte e o prefeito com os membros de governo cumprem a sua. Um governo não é exaltado e nem entra em crise por culpa de uma única pessoa, são muitos os agentes políticos e cada um tem uma parcela de responsabilidade. É assim que se constrói uma cidade justa e humana, onde dá gosto viver.

De igual modo, o cidadão do Céu, o cristão, também tem que cumprir suas responsabilidades diante de Deus, deve crescer na fé e no conhecimento de Jesus Cristo, manter a unidade com a legítima autoridade deixada por Ele na sucessão ministerial, dentro da Igreja.

Desejando progresso nesta dupla cidadania, consagramos os cidadãos de Uruaçu a Deus e almejamos uma Administração pública sábia, prudente, e muito próspera.

Momento de Bênção das autoridades representativas do Município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!