Goiânia reduz casos de Aids e HIV

Dados foram apresentados pelo secretário municipal de Saúde, Durval Pedroso, que lembra: “Além do teste de HIV, estamos oferecendo testagem para sífilis e hepatites B e C”.

 

“Para se ter uma ideia, distribuímos cerca de 900 mil preservativos somente neste ano”, comenta o secretário Durval Pedroso – Foto: Thiago Melo/Prefeitura

 

Durante a abertura do Dia D 2 do Dezembro Vermelho, mês em referência ao Dia Mundial de Luta Contra a Aids, o titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Durval Pedroso, apresentou os dados do cenário epidemiológico da infecção pela Aids e HIV em Goiânia entre os anos de 2011 e 2020. Conforme o documento, o ano passado teve a menor quantidade de diagnósticos positivos de Aids da última década. Já para HIV, o número de casos não era baixo desde 2014.

O secretário Durval Pedroso mostrou que cento e trinta e uma pessoas foram diagnosticadas com Aids em 2020. Em 2011, 365 pessoas receberam o diagnóstico positivo para a doença. Já para HIV, ele enumerou que quatrocentas e quarenta e seis pessoas foram diagnosticadas em 2020. “A última vez que o dado tinha sido menor foi em 2014, quando foram diagnosticadas quatrocentas e quarenta e seis pessoas. De lá para cá os números estavam altos, como 634, em 2015; 706, em 2016; 668, em 2017; 642, em 2018; e, 547, em 2019”, citou, acrescentando que a Pasta vem intensificando o enfrentamento à doença.

“Neste mês, em virtude do Dezembro Vermelho, as ações da Pasta são mais frequentes, mas a SMS mantém as campanhas educativas durante todo o ano, com testagens diárias nas nossas unidades de saúde, além da distribuição de preservativos em diversas ações da própria secretaria e também de parceiros”, citou Durval Pedroso. Ele lembrou que no caso do Dia D, as testagens ocorrem até às 17h, na sede do Paço Municipal. “Além do teste de HIV, estamos oferecendo testagem para sífilis e hepatites B e C”, pontuou.

 

900 mil preservativos em 2021

O secretário de Saúde salientou ainda ao público que participou da abertura do Dia D que mesmo com as restrições da Covid-19 as testagens em Goiânia não pararam e ocorreram normalmente. “Para se ter uma ideia, distribuímos cerca de 900 mil preservativos somente neste ano”, informou, ao completar que a grande estratégia para evitar a Aids são o diagnóstico e o tratamento precoces da infecção pelo HIV. “Nessas testagens, caso o resultado seja positivo, a pessoa já é regulada para seguir o tratamento da doença, que é totalmente custeada pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”.

“Durante o tratamento pela nossa rede, o médico acompanha o paciente com a execução de exames complementares e a utilização de medicamentos que reduzem a carga viral, com retornos à Unidade de Saúde a cada seis meses”, explicou o secretário, ao lembrar que o tratamento realizado à risca faz com que a carga viral possa ficar indetectável. “Isso também quer dizer intransmissível”, concluiu.

 

(Informações: Editoria de Saúde – Mauro Júnio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!