SAÚDE DO CORAÇÃO

DR. JOÃO JOAQUIM DE OLIVEIRA

Higiene e Covid-19

Uma pandemia como a Covid-19 serve bem a mostrar outras faces de nossa sociedade. Especialmente quanto aos hábitos de higiene, de asseio corporal, de limpeza do entorno social, da organização dos pertences e objetos pessoais, de banhos diários de mãos e corpo. Enfim, como lidam as pessoas com esta prática.

Mais do que uma prática ordinária, repetitiva, de saúde e civilização. Se bem pensado até após os cumprimentos uma pessoa deveria lavar as mãos. Ou na falta de água usar um antisséptico, como o álcool, independentemente de pandemia. Em qualquer época e lugar. E a pessoa cumprimentada, a visita nunca se sentir ofendida ou diminuída. Gesto e reação contrária, ver na outra pessoa um gesto de civilidade, de asseio e sanidade.

Nessa finalidade vem também funcionando o mal da pandemia: mostrar outros atributos, a quantas anda a prática da higiene pelos cidadãos do mundo. Algumas pesquisas já mostram essa coerência, essa consistência. E com muita razoabilidade essa constatação se registra nessas pesquisas de saúde pública, pessoal e coletiva. Seria o equivalente àquele provérbio: Diz-me com quem andas e eu te direi quem és. No modelo de comportamento ou hábito aqui em foco a higiene.

Diga-me como sempre foram os seus gestos, expedientes e hábitos de higiene e eu, a Ciência, a microbiologia, enfim, lhe dirá se você tem mais ou menos chance de contrair Covid-19. E não só de se contaminar com o novo coronavírus, de igual forma outras doenças infectocongiosas. Basta ter em considerações de como se deram as origens das doenças sexualmente transmissíveis, primitivamente classificadas como venéreas, adjetivo de Vênus, deusa grega do amor. Foram surgindo por hábitos precários de higiene. Mesma explicação das verminoses digestivas. Falta de higiene no manuseio e consumo de alimentos, frutas, verduras, carnes, falta de higiene de mãos, etc.

Nessas pesquisas de contágio da Covid-19, foram itens os mais corriqueiros das pessoas. Vamos enumerar os mais prevalentes. Gente que acha que basta escovar os dentes duas vezes ao dia. Gente que acha que roupas íntimas podem se misturar com outras roupas. E pior do que isto, essas vestes ser amontoadas e lavadas uma vez por semana. Errado! Deve se lavar todos os dias. O suor diário e contaminações excretórias são ótimos meios de cultura para muitos patógenos, entre eles coliformes fecais e Escherichia coli, salmonelas, Shigellas, etc.

Imagine aquela senhora, agora mulher madura que desde adolescente usava as roupas da irmã. E não desaprendeu referidos insalubres hábitos e passa tal insanidade e insalubridade para as filhas, os filhos. Isto não deve, isto não se pode fazer. E mais, gente que alimenta sem prévia higienização de vegetais e mãos.

A falta de higiene, além de propagar mais a Covid-19, agrava a doença pelo déficit imunitário que podem ter essas pessoas, justamente porque se comportam e portam seus alimentos e pertences pessoais e roupas como típicas sujismundas.

 

NOTA DA REDAÇÃO DO JORNAL CIDADE: na versão impressa, edição 371 (quinzena 1º a 15/02/2022), indevidamente esse texto foi publicado com o título Desobediência – DESOBEDIÊNCIA CIVIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!