SAÚDE DO CORAÇÃO

DR. JOÃO JOAQUIM DE OLIVEIRA

Água + COVID E HIGIENE

Estamos aí com o recrudescimento, com o agravamento da pandemia da Covid-19. Até agora todas as pesquisas investigativas convergem na convicção de que o novo coronavírus surgiu como uma inadequada, esquisita e repulsiva cultura de consumo de carnes de morcegos. Para nós ocidentais soa como um hábito nauseante e repulsivo, tamanho o alto risco de insalubridade. Capturar, manusear e consumir a carne de qualquer animal selvagem constitui risco de contrair inúmeras doenças. Algumas destas com elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Não importa que espécie de animal, se mamíferos, se terrestres, se aquáticos como moluscos ou peixes. Os riscos à saúde humana vão desde o contato com o habitat dos bichos, a posse e manuseio dos animais, e mais grave, como a forma de preparo da carne e consumo desses produtos.

Agora, imaginemos uma população de morcegos! O quanto de agentes infecciosos que eles podem portar, ser eles apenas os vetores e hospedeiros de vírus, bactérias, protozoários e muitos outros micro-organismos nocivos, tóxicos, contagiosos e letais aos seres humanos. As relações dos humanos com animais não humanos trazem sempre riscos de aquisição de inúmeras doenças. Quanto mais raro for o agente infeccioso maior a chance de este parasito causar graves danos ao organismo humano. A explicação é simples: ausência de imunidade e baixa resistência àquele agente infeccioso.

Temos assim a chamada imunidade de rebanho ou coletiva. Esta chamada imunidade natural ou de rebanho ocorre por contato constante com aquele agente infeccioso. Como exemplo a tuberculose. Muitas vezes sem vacina a pessoa possui a chamada imunidade natural, pelos múltiplos contatos da pessoa com o bacilo da tuberculose.

Poderia citar inúmeros exemplos de perigosas relações entre seres humanos e animais. Tanto os silvestres como os domesticados e escravizados. Este termo, escravidão animal, refere-se a todos àqueles animais apelidados de pets, ou por essa subliminar e dissimulada ironia como animais de estimação. Para se ter ideia dessa disfarçada malvadeza humana dos proprietários é suficiente fazer uma inversão de papéis. Imaginemos então que por alguns dias os donos de seus bichos de estimação fossem presos e puxados por coleiras pelas vias públicas, confinados em estreitos espaços e apertados apartamentos e sem liberdade até para se aliviar dos excrementos. Imagine as cenas. A semelhança do que fizeram os porcos na magnífica obra A Revolução dos Bichos, de George Orwell. Nessa ilustrativa paródia, de tiranizados os bichos se tornaram tiranos.

Tornando então à ideia central e tendo os cães como ícones dessa espúria, insalubre e anti-higiênica relação. Em tempos remotos os cães domésticos eram criados da porta de casa para fora. Motivados por múltiplos fatores, entre eles o emocional, a docilidade do animal, e mesmo como um ser alvo de afeto, etc, os cachorros são adotados e hospedados dentro dos domicílios, junto com as pessoas, com as crianças e idosos. Os animais são tratados como membros da família. É uma relação de íntima proximidade altamente perigosa pelas inúmeras doenças que esses simpáticos bichos transmitam às pessoas. E com um agravo, muitas dessas doenças se dão de forma silenciosa, sorrateira, mas com comprada nocividade à saúde de seus donos, das crianças, e coabitantes portadores de comorbidades.

Essa promíscua relação tem como grandes incentivos às indústrias de produtos pets, os mercadores e criadores de cães e todos os profissionais e comércio que cevem dessa atividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido!!